28/06/2012 | Autor: Igor Abade V. Leite | Categoria: Pessoal | Comentários

Quando trabalho em equipe e amor se misturam

Hoje é um dia especial para mim e, por isso, queria fazer um post diferente do que costumo fazer. Sabemos que, via de regra, pessoas como eu e a maioria dos leitores deste blog – geeks, nerds, programadores, profissionais de TI, use o rótulo que quiser – não são muito bons em expressar sentimentos. Não que eu me encaixe no estereótipo do nerd que gosta de viver isolado e não consegue se socializar – longe disso! – mas não sou muito de falar dos meus sentimentos. Além disso, confesso que sou do tipo workaholic. O que para alguém casado como eu, é um defeito quase imperdoável. Lembro de quando trabalhava na Microsoft e via o quanto se falava em Work-Life Balance. O “equilíbrio entre trabalho e vida pessoal”. Não era para menos. No ritmo frenético em que as pessoas viviam e trabalhavam lá era comum ver casamentos em crise por conta da prioridade dada ao trabalho. Antes que alguém critique a Microsoft por isso, vale lembrar que esse problema não é exclusividade deles. O fato é que estamos nos tornando cada vez mais workaholics – e inventamos ótimas desculpas para isso! – e a vida pessoal quase que invariavelmente fica em segundo plano. O desafio que bate à porta de cada um de nós, hoje em dia, é encontrar esse tal equilíbrio, o “work-life balance”. Como se fosse fácil. No meu caso, tem uma variável extra na fórmula do equilíbrio: eu e minha esposa trabalhamos junto. O que significa que “work-life balance” tem uma dimensão completamente diferente para a gente. Para a maioria das pessoas, chegar em casa significa desligar dos problemas do dia-a-dia. É encontrar com a pessoa amada e compartilhar, sim, o que aconteceu. Mas é também falar de outras coisas: de amenidades, dos filhos, da novela, da saudade que sentiram um do outro durante o dia… Por outro lado, quando se trabalha junto – e quando se é workaholic – é fácil ceder à tentação de continuar trabalhando ao chegar em casa. E nos finais de semana. E nos feriados. E nos… bem, você pegou a ideia. É daí – do desafio em encontrar esse equilíbrio – que vem o título deste post. Minha esposa, ao longo desses anos todos em que estamos juntos, tem sido uma parceira inigualável. Sei que não sou uma pessoa fácil, o que valoriza ainda mais o fato de ela estar do meu lado até hoje, com seu apoio amoroso e incondicional aos meus projetos pessoais e profissionais. Eu, do meu lado, focando no trabalho um pouco além do que devia e não sabendo expressar muito bem o que sinto, às vezes deixo de reconhecer o quanto ela é importante. De dizer o quanto a amo. “Amanhã pode ser tarde” Você provavelmente já deve ter recebido um spam/corrente com esse assunto. Deve ter sido alguma variação do texto abaixo:

Se está bravo com alguém, e ninguém faz qualquer coisa para consertar a situação…Conserte você. Talvez hoje, aquela pessoa ainda queira ser seu amigo, e se você não consertar isto, talvez amanhã poderá ser muito tarde. Se este apaixonado por alguém, mas a pessoa não sabe… Diga a ela. Talvez hoje, aquela pessoa também esteja apaixonada por você e se você não falar isto hoje, talvez amanhã poderá ser muito tarde. Se você morre de desejos de dar um beijo em alguém… Então dê. Talvez aquela pessoa também queira seu beijo, se você não der isto a ela hoje, talvez amanhã poderá ser muito tarde. Se você ama alguém e acha que este te esqueceu… Então diga a ele. Talvez aquela pessoa sempre o amou e se você não lhe disser isso hoje, Talvez amanhã poderá ser muito tarde. Se você precisa de um abraço de um amigo… Você deve pedir-lhe. Talvez ele precise isto mais que você, e se você não lhe pedir hoje, Amanhã poderá ser muito tarde. Se você realmente tem amigos, aos quais aprecia… Fale isto a eles. Talvez eles também o apreciem, e se eles partem ou vão embora, talvez amanhã poderá ser muito tarde. È por isso que hoje, antes que seja tarde demais venho lhe dizer que te adoro muito, e que sua presença em minha vida faz um grande significado.

Desculpem-me, mas não sei o autor do texto. Ainda assim, é um texto que veio à minha memória com uma força incrível hoje. E não é por acaso. Hoje eu e minha esposa completamos nove anos de casados. Ela está em casa, em São Paulo. E eu estou num cliente, no Rio. Mesmo não sendo muito bom com palavras e sentimentos, bateu uma vontade louca de vir ao blog e registrar o quanto eu a amo, o quanto sinto sua falta e o quanto queria estar com ela agora. Sabrina, eu te amo demais! Que esses nove anos juntos, durante os quais Deus nos presenteou com dois “presentinhos” maravilhosos, possam se repetir mais e mais – até o fim dos nossos dias! Te amo, minha gatinha. Não vejo a hora de voltar para casa e dizer isso olhando nos teus olhos. Do sempre teu, Igor